Veja as principais dicas de internacionalização para a sua Startup, conforme o CEO Caetano Altafin

Atualizado: 2 de jun.

Saiba quais são as estratégias que, para Caetano Altafin, CEO da GoApp.pet, a sua Startup deve adotar para entrar no Comércio Exterior (Comex).


Você já se perguntou se a sua Startup tem potencial para uma internacionalização? Ou qual o mindset que um empreendedor deve ter para lidar com o Comex? Sabemos que, na atual conjuntura internacional, muitas dúvidas e receios surgem sobre a internacionalização.

Neste post, buscaremos te ajudar a entender o que você, como empreendedor, deve ter em mente para alcançar o sucesso internacional. Nosso convidado é Caetano Altafin, formado nas áreas de Administração e Relações Internacionais, Direito e Finanças, por instituições como Estácio, PUC-Rio, University of California, Yale, London Business School e Harvard.

Atualmente CEO da GoApp.pet, ele compartilhou conosco erros e acertos na sua vasta experiência com Comércio Exterior.Você vai encontrar o presente artigo dividido em:

  1. Mindset do empreendedor para entrar no Comex

  2. Trajetória da GoApp.pet e sua internacionalização

  3. Importância do auxílio de consultorias no processo de internacionalização

1. Mindset do empreendedor para entrar no Comex

Entenda o papel do líder para um processo de internacionalização de sucesso!

Reunião de avaliação da solução da empresa. Fonte: Pexels (RODNAE Production)


Em uma Startup, as figuras de liderança tomam um papel ainda mais central do que em outros empreendimentos. Portanto, o mindset do empreendedor acaba sendo refletido em muitos dos processos pelos quais a empresa passa. Com a internacionalização não poderia ser diferente!

Durante a conversa da Atlântica com Caetano Altafin, ele contou um pouco sobre quais as características que um empreendedor deve ter para tornar sua empresa internacional. Além disso, também compartilhou qual a metodologia que ele aplicou na sua empresa.

Em primeiro lugar, antes da internacionalização, o empreendedor deve buscar se familiarizar ao máximo com a missão de sua empresa, com o mote de resolver um dado problema da melhor forma possível. A partir disso, diagnosticar, junto de sua equipe, se esse problema também existe em outros países e se a solução dada pela sua empresa também é inovadora naqueles mercados.

Ao compreender essas duas questões, a Startup terá material suficiente para decidir se a internacionalização é viável ou se ela deve iniciar um procedimento interno para o seu aprimoramento.

Com esse procedimento superado, Caetano destaca ainda alguns conhecimentos dos líderes da Startup que podem cooperar na internacionalização. São elas:

  • a sua familiaridade com o mercado internacional e seus players;

  • a definição do mercado-alvo;

  • a definição da persona;

  • a definição do tipo do negócio.

Essa situação pode ser resumida no exemplo que Caetano dá acerca da Europa e de como países próximos podem ser cultural e economicamente distintos: “Embora exista a União Europeia, [...], você tem realidades muito peculiares e para ter sucesso nesse mercado é necessário primeiro compreendê-los.”.

A dica de ouro de Caetano é de que:


A internacionalização não deve ser vista como uma salvação para o seu negócio, mas sim algo que complemente a sua missão e o seu objetivo com a empresa.


Dessa forma, é fundamental que a decisão de expandir o negócio para uma abordagem internacional deva ser bem fundamentada e que reflita o seu momento. Para entender melhor a maneira mais segura de analisar a sua empresa, continue a leitura do tópico três deste texto.


2. Trajetória da GoApp.pet e sua internacionalização

Confira a trajetória sensacional da GoApp.pet e o seu processo de internacionalização!


Informações da GoApp.pet. Fonte: Facebook

Quando uma Startup deseja se internacionalizar, um dos primeiros desafios é o funding. O funding nada mais é do que a captação de recursos financeiros para a sua empresa. Esse ponto foi uma das maiores dificuldades enfrentadas pela GoApp.pet, visto que essa é uma tarefa que pode ser demorada e cansativa.

Porém, a captação de funding, quando atingida, pode auxiliar no estabelecimento do modelo de negócios mais adequado para a sua Startup. Caetano aborda isso em seu segundo ponto, falando que, ao obter o funding a partir de um mercado externo, que no seu caso foi a Holanda, foi possível eliminar modelos de negócios que não seriam relevantes para os problemas levantados.

Um exemplo disso foi o serviço de passeio com pets, em que, pela proximidade dos holandeses com seus animais de estimação, o serviço não seria viável, visto que não existe o costume de deixá-los com outras pessoas.

Além disso, um ponto essencial para o processo de internacionalização da GoApp.pet foi a delimitação da comunidade para a qual os seus serviços e/ou produtos serão destinados. No caso da GoApp.pet, a comunidade é global, visto que há amantes de pets no mundo todo. A delimitação da comunidade é essencial por conta dos vínculos que a Startup pode firmar com clientes dentro dela. Além disso, esse processo também permite que a Startup compreenda os anseios dos seus clientes, podendo direcionar o modelo de negócios para melhor atendê-los.

Outra questão a ser observada pela Startup é acerca do momento certo para iniciar um processo de internacionalização. Uma internacionalização prematura pode trazer tanto consequências positivas como negativas para a sua Startup. Dessa forma, internacionalizar-se precocemente pode causar a perda de foco do empreendedor, assim como pode fazer com que o empreendedor seja mais assertivo nas suas decisões.

Ademais, Caetanto destaca que a GoApp.pet sempre buscou a melhor organização interna possível, sendo esse um fator o qual reflete na satisfação de seus clientes. Portanto, para lidar com o mercado internacional, a chave é a organização, visto que isso consolida uma visão positiva dos clientes acerca da Startup.

Soma-se a isso outra dica valiosa fornecida por Caetano referente à troca de experiências entre empreendedores que habitam o mesmo ecossistema. Essa troca pode facilitar que a Startup trace caminhos a serem seguidos dentro do mercado internacional.


3. Importância do auxílio de consultorias no processo de internacionalização


Para um processo de internacionalização de sucesso é necessária uma boa consultoria!

Caetano compartilha que a GoApp.pet contou com o auxílio de uma consultoria para definir a persona de sua empresa na Europa, ou seja, o personagem fictício, criado por meio de dados, que representa o consumidor ideal. O serviço, em sua visão, foi ideal para que o marketing de sua empresa fosse eficaz em atingir os consumidores.

Para Caetano, é essencial buscar ajuda especializada para que a inserção da Startup no mercado alvo seja bem sucedida e, muito mais importante do que o nome e tradição que a empresa de consultoria carrega, são os indivíduos que fazem parte dela e que estarão encarregados da sua consultoria. Aqueles que de fato conseguirem entender o seu objetivo e a sua missão da mesma maneira que você.

Desse modo, contar com uma consultoria externa pode ajudar a sua empresa a selecionar o consumidor ideal dentro de um mercado, tornando o marketing de sua empresa certeiro.

Informações da Atlântica Consultoria. Fonte: Facebook.

Junto a isso, a Atlântica dispõe de diversos serviços, os quais podem ser vistos neste link, que auxiliam no processo de internacionalização da sua Startup. Serviços como a identificação do mercado ideal e estratégia de inserção internacional garantem que a Startup ganhe destaque no Comex de seu modelo de negócios.

Confira nossos E-books 100% gratuitos sobre o assunto, clicando na aba “Conteúdos Gratuitos”. A Atlântica facilita a internacionalização da sua Startup!



Agora você já sabe quais as principais dicas do CEO da GoApp.pet, Caetano Altafin, sobre como fazer uma internacionalização de sucesso para a sua Startup. Além disso, entendeu qual mindset um empreendedor deve ter e como ele deve lidar com os desafios de sua empresa.

Já leu nossos E-book e quer saber ainda mais sobre como internacionalizar a sua Startup?


Fale com um de nossos consultores!

 

Autores: Alecsander Hennig e Gabriel Daros

Revisão: Erik Marins, Julia Marin e Rafaela Caporale

81 visualizações0 comentário